terça-feira, 30 de março de 2010

Mensagens Subliminar em: Nova Schin


Esta subliminagem é em um comercial da cerveja 'nova schin' pela ONG Mensagem Subliminar. No comercial, um cara diz algo no ouvido de Zeca Pagodinho e, embora não desse para ouvir, ainda dava para ler os lábios dele enquanto dizia: "tu experimente isso aí agora — cara — ou eu pego essa garrafa e enfio no teu rabo!". Segundo ONG Mensagem Subliminar, Zeca Pagodinho representaria o povo brasileiro no comercial.

Mensagem subliminar, especialmente em propaganda comercial, não é exatamente uma novidade e da próxima vez que a cerveja Schin aparecer na TV preste mais atenção (Comercial veiculado nas emissoras de TV em setembro de 2003). Comercial da nova cerveja Schin. No vídeo, surgem famosos, atrizes, atores e celebridades (o que quer que 'celebridade' signifique).

Em um bar, o garçom serve cerveja. O cliente olha pra cerveja e fala demonstrando contrariedade: "O que é isso, cara?"


O cliente reluta em beber e todo mundo que se encontra no bar, inclusive o garçom, grita: "Experimenta! Experimenta!".

Sem muita convicção, finalmente o contrariado cliente toma um gole. Parece aprovar o sabor e, em seguida, ele e a 'galera' saem em passeata gritando o refrão "Experimenta!"

A passeata tem um destino certo: o refúgio do simpático e divertido bebedor de cerveja, sambista e pagodeiro (no melhor sentido do termo) o carioca Zeca Pagodinho.

O cantor encontra-se num bar enquanto o garçom lhe serve uma cerveja. Ou melhor, tenta servir. O garçom parece argumentar enquanto o famoso cliente se recusa a beber a cerveja sugerida.

A certa altura, do meio da multidão surge um rapaz que vê a cena e fala "Peraí, peraí. Deixa comigo". O rapaz se aproxima do Zeca, fala algo, gesticula, mas não dá pra entender o que ele diz. O Zeca bebe um gole da cerveja.


O locutor fala alguma coisa sobre a cerveja e depois uma garota pergunta ao rapaz que se aproximara do Zeca: "O que é que tu falou pro cara?"

"Uai, eu virei pro cara e falei: Experimenta! Experimenta!"

Fica a pergunta: foi isso mesmo o que o rapaz falou pro Zeca?

Não parece, não.

Um curioso se deu ao trabalho de isolar o trecho da fala do rapaz que se aproxima do Zeca. Gravou o trecho e passou ao contrário, da forma como foi gravado originalmente.

E o que se ouve? Não está muito nítido, mas dá pra se perceber o que o rapaz fala:


Vê se tu bebe isso aí agora, cara ou eu pego essa garrafa e enfio no seu rabo... (mais alguma coisa ininteligível).

Confira. Veja o clip original no site do fabricante da cerveja e o trecho da fala do rapaz. Tire as suas próprias conclusões. Veja o trecho do vídeo com a frase falada sem a inversão.

Pode parecer divertido, mas há dois aspectos a considerar.

Um é o apelo para experimentar uma bebida alcoólica que pode induzir crianças e adolescentes a "cair nessa onda" de experimentar. Isso não tem nada a ver com subliminar. É explicitado, sem nenhum pudor, ao longo do comercial.

Outro aspecto é o uso, na propaganda, de recursos da mensagem subliminar, muito embora o nível escatológico da mensagem em análise não deva produzir muitos resultados devido à grosseria e ao mau gosto da ameaça. (Se é que a chamada propaganda subliminar produz, efetivamente, os efeitos propalados.)

O trecho em áudio reverso pode ser tomado como algo semelhante aos famosos "ovos de páscoa" (os gringos chamam de "easter eggs") que os programadores de computador inserem nos programas que eles fazem. Uma brincadeira. O bom ou mau gosto depende do ponto de vista.

Tem gente pegando carona dessa "onda" e pedindo explicações ao fabricante da cerveja e aos produtores do comercial, não pelo pedido de "experimenta", mas pelo "rabo" posto ao contrário (que horror!)

Bom seria se essa onda de pedir explicações se estendesse um pouco e abrangesse terrenos mais sérios e relevantes e se pedissem também explicações sobre as supostas irregularidades que levaram à renúncia de um presidente da república. Tudo caiu no olvido, como diria um bolerão ou um tango bem cansado.

Também seria interessante ouvir as explicações dos anões do orçamento, ouvir as explicações sobre os precatórios, sobre a privataria.

E tem também aquela história da quebra de sigilo do painel de votação do Senado Federal.

Todos inocentes.

Mas parece que nada disso importa. O que conta mesmo é o rabo posto ao contrário, o áudio reverso.

Ou o rabo reverso.

A Fonte de todo o blog veio de pesquisas com TorBrowser.